(41) 3122-2091 (51) 9-9920-7592

Conab acompanha o impacto da seca e da geada na safra de grãos nas principais regiões de produção

às
Nenhum comentário

Durante as primeiras semanas deste mês, as áreas de produção agrícola que tiveram os maiores acumulados de chuva no país foram a região Norte e o litoral do Nordeste. Já na região Sul, as chuvas ficaram mal distribuídas e no Centro-Oeste e Sudeste prevaleceu o tempo seco. A análise é da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada no Boletim de Monitoramento Agrícola Cultivos de Verão e Inverno – Safra 2020/21.

O boletim traz informações sobre as condições agro meteorológicas e do comportamento das lavouras, em imagens de satélites e no campo, com o monitoramento das principais regiões produtoras de grãos, considerando os cultivos de verão e inverno. Para isso, conta com a colaboração do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Grupo de Monitoramento Global de Agricultura (GLAM).

Segundo a publicação, as irregularidades das chuvas na região Sul e a redução do armazenamento hídrico têm dificultado os tratos culturais e o desenvolvimento dos cultivos de inverno, principalmente nas lavouras em estádios mais avançados no norte do Paraná. No norte do estado praticamente não houve precipitação e no Rio Grande do Sul, com a má distribuição, a média diária do armazenamento hídrico no solo ficou abaixo do ideal. No entanto, em Santa Catarina o armazenamento hídrico ficou estável, favorecendo o desenvolvimento das lavouras.

A falta de precipitação também ocorreu no sudoeste do Mato Grosso do Sul, no centro-sul de São Paulo e no sul de Minas Gerais. Os níveis de umidade diminuíram ao longo do período e afetaram a evolução dos cultivos de inverno não irrigados, além da realização dos tratos culturais.

Conab acompanha o impacto da seca e da geada na safra de grãos nas principais regiões de produção

Publicado em 27/08/2021 07:27117 exibições

Durante as primeiras semanas deste mês, as áreas de produção agrícola que tiveram os maiores acumulados de chuva no país foram a região Norte e o litoral do Nordeste. Já na região Sul, as chuvas ficaram mal distribuídas e no Centro-Oeste e Sudeste prevaleceu o tempo seco. A análise é da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada no Boletim de Monitoramento Agrícola Cultivos de Verão e Inverno – Safra 2020/21.

O boletim traz informações sobre as condições agro meteorológicas e do comportamento das lavouras, em imagens de satélites e no campo, com o monitoramento das principais regiões produtoras de grãos, considerando os cultivos de verão e inverno. Para isso, conta com a colaboração do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Grupo de Monitoramento Global de Agricultura (GLAM).

Segundo a publicação, as irregularidades das chuvas na região Sul e a redução do armazenamento hídrico têm dificultado os tratos culturais e o desenvolvimento dos cultivos de inverno, principalmente nas lavouras em estádios mais avançados no norte do Paraná. No norte do estado praticamente não houve precipitação e no Rio Grande do Sul, com a má distribuição, a média diária do armazenamento hídrico no solo ficou abaixo do ideal. No entanto, em Santa Catarina o armazenamento hídrico ficou estável, favorecendo o desenvolvimento das lavouras.

A falta de precipitação também ocorreu no sudoeste do Mato Grosso do Sul, no centro-sul de São Paulo e no sul de Minas Gerais. Os níveis de umidade diminuíram ao longo do período e afetaram a evolução dos cultivos de inverno não irrigados, além da realização dos tratos culturais.

Por outro lado, a ausência de chuvas foi favorável a outros setores, como as operações de colheita da segunda safra do milho e do algodão, nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Em relação às geadas, a ocorrência durante a primeira quinzena de agosto foi menor e menos abrangente em comparação com o mês anterior.  Houve episódios, sobretudo, no Rio Grande do Sul. No entanto, como a maior parte dos cultivos de inverno está em desenvolvimento vegetativo, praticamente não houve impacto nas lavouras.

Fonte: Conab

Fonte: Notícias Agrícolas